Câmara quer informações sobre o uso de emenda de R$100 mil enviada à Secretaria da Saúde

BrunoLeite 16.11.2021 2Bruno Leite, autor do Requerimento: “Comprou remédio? Precisa provar no Requerimento, se comprou. Porque o que mais a gente vê hoje é falta de remédio”De iniciativa do vereador Bruno Leite (DEM), o Requerimento 27/2021 pede informações à Secretaria Municipal de Saúde sobre o repasse de emenda parlamentar no valor de R$100 mil, que foi destinada à pasta. Aprovado por unanimidade na sessão ordinária da Câmara, nesta terça-feira (16), o texto questiona “como foi utilizado esse recurso” e “como foi feita a [sua] prestação de contas”, além de reivindicar o envio dos respectivos comprovantes dos gastos, caso tenham sido realizados. 

Em comentário, antes da votação, Bruno explicou que a verba foi enviada ao município, a seu pedido, pelo deputado federal Guilherme Derrite (PP), conhecido como Capitão Derrite. Ele salientou que, na época do recebimento da verba pelo Poder Executivo, sugeriu ao ex-secretário de Saúde, Sílvio Corsini, que o dinheiro fosse utilizado em mutirões de catarata, para sanar o problema das filas - e, na ocasião, foi informado de que o dinheiro seria usado na compra de medicamentos. 

“Então […], venho fiscalizar essa emenda conquistada por mim. Comprou remédio? Precisa provar no Requerimento, se comprou. Porque o que mais a gente vê hoje é falta de remédio”, disse o autor do pedido de informações. “É preciso entender o que foi feito com esse recurso”, complementou Bruno. Já Beto Carvalho (DEM) salientou que os pedidos de informação ocorrem devido à falta de respostas, da prefeitura, “via ofício, via diálogo” – situação que ele espera que seja regularizada. 

TRANSPARÊNCIA

Na Justificativa da propositura aprovada, o autor também ressalta que “esse recurso já se encontra nos cofres da prefeitura desde o mês de agosto de 2021”. “Visando uma maior transparência, o requerimento tem como objetivo prestar esclarecimento à população sobre o destino do recurso público por intermédio de emenda parlamentar”, esclarece o texto.