Adesão ao Criança Feliz vai garantir políticas para a primeira infância, diz Andrea Garcia

AndreaGarcia 18.10.2021“O governo vai mandar recursos, para que as assistentes sociais, psicólogas, façam esse trabalho”, explicou Andrea, sobre o Programa Criança FelizA vereadora Andrea Garcia (PTB) comemora a recente adesão de Monte Mor ao Programa Criança Feliz, do Governo Federal. Em discurso no Plenário, na sessão desta segunda-feira (18), a parlamentar destacou que a iniciativa, que promove ações de cuidado para a primeira infância, deverá acompanhar mais de 300 famílias do município. “Políticas públicas são importantes”, ressaltou.

No pronunciamento, Andrea lembrou que, desde a criação do Criança Feliz, em 2016, o município não tinha assinado o termo de aceite ao programa, o que ocorreu somente na atual gestão. Ela ressaltou que serão feitos acompanhamentos específicos para crianças de zero a seis anos, incluindo orientações às mulheres, desde a gestação, o que garantirá o “desenvolvimento humano da criança”.

De acordo com o Governo Federal, o Programa Criança Feliz prevê que as “famílias com crianças entre zero e seis anos ofereçam, aos seus pequenos, ferramentas para promover seu desenvolvimento integral”. A partir de visitas domiciliares e de acompanhamentos, serão fornecidas orientações para se fortalecer os vínculos familiares e comunitários, e estimular o desenvolvimento infantil. 

“O governo vai mandar recursos, para que as assistentes sociais, psicólogas, façam esse trabalho”, explicou. A vereadora também comentou que, no final de semana, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Social promoveu capacitação sobre a Lei 13431/2017, que prevê a garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência, incluindo a escuta especializada.

VACINAÇÃO

O cronograma municipal de vacinação da Covid-19 também foi comentado. Andrea divulgou que a prefeitura está aplicando a terceira dose do imunizante para pessoas acima de 60 anos e profissionais de saúde que tenham tomado a segunda dose há pelo menos seis meses; e para imunossuprimidos, acima de 18 anos, que tenham tomado a dose anterior há pelo menos 28 dias. Segundo o Poder Executivo, pessoas com comorbidades com mais de 18 anos também podem tomar a terceira dose, desde que tenham recebido a segunda há pelo menos 60 dias (veja as informações completas).