Paranhos cobra procedimento para apurar responsabilidades na remoção de pessoas em situação de rua

Paranhos 13.10.2021Para Paranhos, o ex-secretário “demonstrou que não sabe muita coisa de Segurança”, e precisa ser responsabilizado pelos atosO vereador Paranhos (MDB) reclama que, até o momento, o município de Monte Mor não abriu nenhum procedimento disciplinar para apurar as responsabilidades de agentes públicos na remoção de pessoas em situação de rua, ocorrida em julho. Em discurso na sessão desta quarta-feira (13), o parlamentar afirmou que enviará um documento oficial ao novo secretário de Segurança Pública, Anderson Palmieri, solicitando a abertura imediata do procedimento apuratório. Disse, ainda, que informará o Ministério Público (MP) sobre o assunto, e que cobrará providências também do prefeito, Edivaldo Brischi (PTB), “para que tenhamos uma administração transparente e legalista”.

No pronunciamento, Paranhos relatou que a denúncia que culminou na recente ação movida pelo MP, contra o prefeito, teve origem na própria Guarda Civil Municipal (GCM), e inclui “nomes de guardas que participaram desse evento [de remoção forçada das pessoas em situação de rua para municípios vizinhos], que teve como autor principal o prefeito”. Segundo Paranhos, o ex-secretário de Segurança Ronaldo Tuim,  o comandante e o subcomandante da GCM “talvez seriam as pessoas legítimas para orientar e impedir os atos criminosos praticados pelo prefeito”. “O ex-secretário, além de não ter essa postura, se manteve omisso até o momento. Não só ele como o atual comandante”, criticou.

O parlamentar também lembrou que a Guarda de Monte Mor é uma das mais reconhecidas da região, “legalista e humanizada”. “A omissão do [então] secretário de Segurança Pública [recentemente exonerado], do comandante e do subcomandante, colocam em xeque a hierarquia e a disciplina [do órgão]”, relatou, lamentando a não abertura de investigação, até o momento. Para Paranhos, o ex-secretário “demonstrou que não sabe muita coisa de Segurança”, e precisa ser responsabilizado pelos atos, mesmo após deixar o cargo. Ele citou a existência de normas internas da Guarda, como o Regulamento Disciplinar e o Estatuto, que inclusive estabelecem as responsabilidades da gestão.

“EXONERAÇÃO EM MASSA”

Paranhos comentou o “evento que causou turbulência no governo e em toda a máquina pública: a exoneração em massa de vários secretários” [veja portaria no Diário Oficial]. Elogiou a nomeação da nova secretária de Educação, Sandra Bruzon, que segundo ele “já demonstrou ser competente na escola que dirige há mais de uma década”, no Jardim Sam Remo. E afirmou que a exoneração “que causou mais impacto” foi a do secretário de Segurança. Segundo Paranhos, a ação movida pelo MP contra o prefeito (pedindo pagamento de indenização, responsabilização por improbidade e requerendo políticas públicas para a área) decorre dos “atos praticados contra os moradores de rua”.