Em Moção de Apelo ao Estado, vereadores pedem políticas públicas de segurança nas escolas

AlexandrePinheiro 28.06.2021 MoçãoAlexandre Pinheiro, presidente da Câmara, é autor da Moção que pede segurança nas escolas A Câmara aprovou na sessão desta segunda-feira (28) a Moção 26/2021, de Apelo ao governador do Estado, João Dória (PSDB). De autoria do vereador Alexandre Pinheiro (PTB), presidente da Casa, a propositura reivindica a implantação de políticas públicas de segurança nas escolas, incluindo “melhorias nas instituições de ensino estadual no município, com a implantação de portarias mais seguras e serviços de vigilância”. Aprovado por unanimidade, o documento também será remetido ao secretário estadual de Educação, Rossieli Silva, de Segurança, general Campos, além do prefeito Edivaldo Brischi (PTB), dos secretários municipais Ronaldo Perandre (Segurança) e Mário Franco (Educação), e para os sindicatos dos Professores do Ensino Oficial (Apeoesp) e dos Estabelecimentos de Ensino do Estado.  

Em discurso, antes da votação, Alexandre citou os massacres ocorridos em escolas de Suzano (SP), Realengo (RJ) e também em Saudade (SC). “Essa Moção é para que haja não só patrulhamento, mas também alguma política voltada para a segurança dentro das escolas”, afirmou, citando que em Campinas, por exemplo, há empresa terceirizada que presta esse serviço. Ele também relatou que o ambiente escolar é composto majoritariamente por mulheres, carecendo de reforço na segurança, para evitar tragédias como as citadas. A Moção também menciona que é “notório o crescimento da violência na sociedade, e [que] isso se reflete no ambiente escolar, onde os malefícios são ainda maiores, por envolver indivíduos em formação”. Pede, ainda, a “adoção de orientações e protocolos de segurança”. 

Vereadores comentaram a iniciativa. Paranhos (MDB) parabenizou o autor. Criticou, entretanto, a falta de investimentos da Secretaria Estadual de Segurança e do respectivo secretário. “A Guarda Municipal [...] acaba fazendo toda a função do Estado”, disse. “Quem investiga hoje todo e qualquer crime é o [órgão] que menos tem ajuda do Estado de São Paulo, que é a Polícia Civil, sucateada”, completou Beto Carvalho (DEM). “Precisamos de estrutura na segurança das escolas, e o apelo também precisa ser para a estrutura [de ensino]: professor precisa de respeito, precisa ser valorizado”, afirmou Professor Fio (PTB) . Já Bruno Leite (DEM) defendeu levar a proposta ao prefeito, para implantação em escolas municipais, e também marcar reunião com o secretário estadual, sobre o assunto.