Prefeito Edivaldo Brischi faz balanço dos cem dias de governo na tribuna livre da Câmara; vereadores comentam

PrefeitoEdivalBrisch.12.04.2021Acompanhado do vice-prefeito Ronaldo Tuim, Edivaldo Brischi ocupou a tribuna livre da Câmara: 100 dias de governo14/04/2021 - O prefeito de Monte Mor, Edivaldo Brischi, utilizou a tribuna livre da Câmara na sessão da última segunda-feira (12), para falar sobre o tema “Os 100 dias de governo”. Conforme Regimento Interno da Casa, o chefe do Executivo pôde discursar livremente por dez minutos; e, na sequência, alguns vereadores utilizaram-se da palavra para discutir o tema exposto. Assista aqui ao vídeo

Por videoconferência e acompanhado do vice-prefeito Ronaldo Tuim, Brischi enumerou as principais ações da gestão. Começou citando o repasse de cerca de R$4,3 milhões ao Hospital Sagrado Coração de Jesus, conforme termo de colaboração aprovado no Legislativo; e de R$2,1 milhões à Câmara. “Pagamos R$1,6 milhão de remédios, inclusive muitos remédios da gestão passada”, complementou.

O prefeito também mencionou o pagamento de R$350 mil em rescisões “deixadas pela antiga administração”, e a compra de mais de R$500 mil em Sessão 12.04.2021Após o pronunciamento do prefeito, alguns vereadores fizeram comentários, durante a sessão deliberativa da Câmaracestas básicas, que são distribuídas aos beneficiários pelas equipes de Assistência Social. “Pagamos mais de R$6 milhões de dívidas da prefeitura com o Ipremor [Instituto de Previdência Municipal]”, anunciou. 

AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO DE INATIVOS

Brischi também comentou a suspensão do pagamento de auxílio-alimentação aos servidores públicos municipais inativos, devido a uma decisão judicial (veja nota oficial do Poder Executivo, neste link). O assunto havia sido abordado por diversos parlamentares, com frequência, em discursos neste ano.

“Isso aí tinha que ser um assunto encerrado. Que veio do Tribunal, cortando esse vale. Então, eu acho que vocês deveriam continuar com outros assuntos, mais importantes para o município. Provoquem o Ipremor, que deve pagar para vocês o vale-alimentação, ou não”, afirmou o prefeito.

DÍVIDAS ATRASADAS; E PANDEMIA

Na tribuna livre, Brischi também disse que sua gestão efetuou o pagamento de dívidas deixadas pela administração anterior: R$570 mil de água, telefone e energia; R$613 mil em precatórios; e R$2 milhões a fornecedores terceirizados. “Para pôr a máquina para funcionar, tivemos que fazer isso”. 

Sobre a pandemia da Covid, o prefeito disse que, desde 2020, o município recebeu R$ 7,1 milhões para enfrentamento da doença - “sendo que R$3,4 milhões foram gastos na gestão passada. O prefeito Edivaldo, até agora, gastou R$99 mil reais”, afirmou, anunciando os recursos ainda disponíveis.

O chefe do Executivo também citou a tenda instalada no Hospital, para atendimento exclusivo aos pacientes da Covid-19. Segundo ele, o local garante o “encaminhamento certo, com os protocolos e medicamentos corretos ao estágio da doença”. Assista à íntegra do pronunciamento neste link

PARLAMENTARES COMENTAM

Alguns vereadores comentaram o discurso do prefeito. Paranhos (MDB) considerou como “lamentável” e “infeliz” a fala do prefeito sobre o corte do auxílio-alimentação dos inativos; lembrou que tais servidores não são “problema do Ipremor”, já que se aposentaram “trabalhando para a prefeitura, para o povo”; e que necessitam do auxílio-alimentação exatamente por receberem um salário baixo, “ridículo”. Professor Adriel (PT) reconheceu o “trabalho incansável da atual administração à frente da prefeitura”; mas disse que agora “é necessário que haja sensibilidade para se esboçar alguns gestos e respostas a alguns questionamentos sobre pautas que tocam essa Casa de Leis em praticamente todas as sessões” - como a questão dos problemas do plano de saúde dos servidores e do corte do auxílio-alimentação dos inativos, dentre outros. 

“É revoltante ver aquele que tem poder da caneta na mão falar que não tem o que fazer, e assunto encerrado”, disse Camilla Hellen (Republicanos), destacando que os servidores aposentados terminaram suas carreiras “servindo ao município”, e merecem respeito, assim como toda a população. “É revoltante essa fala, sinceramente. É, no mínimo, lamentável”, concluiu. Bruno Leite (DEM) destacou que, apesar de o corte do vale-alimentação dos inativos ser oriundo de decisão judicial, o prefeito não poderia “deixar os servidores na mão” - inclusive considerando-se que os mesmos ficaram sem reposição salarial por muito tempo. Lembrou, ainda, que alguns municípios adotaram alternativas, como a distribuição de cestas básicas - o que foi proposto em Indicação sua

Pavão (MDB) disse que os integrantes do Executivo e Legislativo são verdadeiros “guerreiros”. “[Com] a união de todos, o trabalho conjunto, iremos fazer a diferença para a nossa população”, afirmou, parabenizando a prefeitura pela limpeza da Estrada do Magoga. Já Alexandre Pinheiro (PTB), presidente da Câmara, afirmou que acredita que os Poderes Executivo e Legislativo estão trabalhando “para que nós tenhamos uma Monte Mor melhor”. Em relação ao benefício dos inativos, lembrou que a suspensão do pagamento não foi decidida nem pelo Executivo nem pelo Legislativo, mas sim por uma determinação do Poder Judiciário. Além disso, traçou paralelo com a iniciativa privada (onde proventos dos aposentados são arcados exclusivamente pelo INSS), afirmando que, na fala, o prefeito Edivaldo sugeriu que o “Ipremor assuma esse tão necessário vale-alimentação que foi retirado”.